segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

sustos inesperados



Engraçado a vida da gente.
Já voei em diversos tipos de aeronaves, sendo a de menor porte um monomotor Caravan no trecho de Gurupi - TO à Goiânia e a aeronoave de maior porte, um Boeing 747 Combo da Angola Airlines. Já voei pela Varig, Vasp, Transbrasil, Tam, Gol, Passaredo, Sete Linhas Áereas, de Helicóptero mais de uma vez e por último, pela Trip.
Já passei alguns sustos e já perdi um voo que evitou o maior deles que foi uma aeronave Fokker 100 da TAM, pois eu estava na sala vip do aeroporto de Congonhas ouvindo uma apresentação de um grande pianista e degustando salgadinhos com Coca-cola. Estava tão envolvido que esqueci que tinha de ir embora. Quando lembrei o avião já devia estar no meio do caminho. Peguei um táxi para o Aeroporto de Guarulhos e chegando lá, vi a notícia que o avião tinha feito um pouso de emergência e desceu de barriga no aeroporto de Brasília.
Domingo quando estava vindo para Cuiabá, o ERJ-175 da Embraer de propriedade de TRIP Linhas Áereas, aos 42 minutos de voo, entrou numa turbulência e deu uma rabeada de mais ou menos uns 20 graus a esquerda e logo em seguinda um giro de 15 graus a direita e só ouvi a gritaria da mulherada.
Como já estou acostumado com essas turbulências, continuei tomando meu suco de laranja para não derramar.
Quem opta por voar, tem que estar preparado para esses sustos.

2 comentários:

Nélis Neide disse...

Mas ainda bem que não ouve maiores consequências e o voo continuou o seu percurso normal e você chegou ao seu destino sã e salvo. Graças ao bom Deus!
Te amo

Chrystian disse...

Que susto, em... Ainda bem que deu certo.