quarta-feira, 7 de maio de 2008

Que foi chifre, foi!

Bom, eu passei aquele dia normal como eram os meus sábados. Almocei, depois fui lavar meu carro e sai para espairecer um pouco. No domingo, fui para a casa de um colega assistir uma corrida de fórmula 1 e quando estou bem tranquilo, ela chega com desculpa de visitar a irmã do meu colega que se tornou nossa colega também. Eu levantei para ir embora, ela saiu também e disse que precisava ir na minha casa acertar umas contas com minha mãe. Me acompanhou e me pediu para ir na casa dela à noite para conversarmos.
Eu, como estava sozinho mesmo, concordei.
Saímos e fomos na Praça Tamandaré, que era o point de encontro dos namorados. Ficamos conversando dentro do carro, conversa vai, conversa vem, ela me pediu uma chance para provar que não era o que eu estava pensando dela. Eu como bom samaritano que sou e não suporto ver uma mulher me pedir uma chance quase chorando, disse a ela: Todo réu merece uma segunda chance, mas tenha a certeza que será a única. Ela não resistiu e caiu nos meus braços.
Depois de alguns dias de bonança, fomos viajar para Caldas Novas, especificamente na Esplanada, com meu amigo e a namorada dele. Quem conheceu lá naquela época, sabe de onde estou falando. Foi muito bom, mas os detalhes só à nós pertence.
Quando foi em Setembro daquele ano, entrei de férias do serviço e fui viajar para Frutal-MG com um casal de amigos e para não ir sozinho, minha ex-namorada convidada pela minha amiga também foi. Valeu por dois motivos: um para dar o troco do chifre que tinha levado, muito embora ela não concorde com o termo. O outro motivo, foi para provar para eu mesmo que não sentia mais nada pela minha ex e foi ali mesmo que decidi ficar noivo para aproveitar o evento e contar com todas as letras para a ex, só para ver sua reação. Sei que fui cruel, mas eu precisava. Eu, quando é preciso, mato na unha. Quanto ao noivado...

2 comentários:

Anônimo disse...

Bom samaritano foi a frase do mês... hehehe... Esse é meu pai...

Nélis Neide disse...

Dessa vez vc foi cruel, comigo. E acho que no fundo homem é tudo da mesma laia não sabem levar um "chifre" como vc mesmo disse que foi, sem dar outro em troco. Mas graças a Deus esse chumbo trocado não existe mais, pois isso é muito mesquinho para um casal quase perfeito como somos.

Beijos